Peripécia

Peripécia Teatro - sobre nós

Cooperativa cultural sem fins lucrativos, fundada em 2004. Em 2007 estabelecemo-nos na aldeia de Coêdo, concelho de Vila Real.
Somos um colectivo que acredita que a arte não é entretenimento apenas. Acreditamos na arte como um caminho para nos encontrarmos. Para nos encontrarmos a nós próprios, assim como ao nosso papel na meio da aldeia, do bairro, da cidade, do mundo e do espaço infinito que se comprova existir pelo céu fora. Acreditamos que nesta complexidade de mundos, exteriores e interiores, a Arte desempenha um papel indispensável para que todos tenhamos o (nosso) melhor mundo.

No plano teatral realizamos criação de autoria original, assente essencialmente no trabalho de interpretação, procurando desenvolver a nossa própria linguagem estética. Circular com as nossas criações por variados espaços e públicos sempre foi uma vontade declarada.
No quadriénio 2018-21, desenvolvemos o ciclo “Terra. Arte. O Homem no Meio”, financiado pelo Ministério da Cultura, através da DGArtes, e do Município de Vila Real. São também parceiros deste ciclo os Municípios de Arcos de Valdevez, Bragança, Macedo de Cavaleiros e Sabrosa.

“Terra. Arte. O Homem no Meio” é em termos globais um programa de atividades que questiona o Ser Humano e a relação com o Meio onde se insere.Este propósito concretiza-se através de actividades nos domínios da criação teatral, programação, circulação, formação e desenvolvimento de públicos.

Em mais de uma década e meia de actividade contínua apresentamos o nosso trabalho em inúmeros teatros, salas independentes, festivais e praças de cidades e aldeias. Portugal, Espanha, Brasil, Argentina, França e Cabo-Verde são os países onde as nossas criações foram já apresentadas.

Espectáculos em cena

13

excerpt de teste

Lua Cheia – Arte na Aldeia

Excerto de exemplo

Periplus

Excerto de exemplo

Espectáculos Fora de Cena

13

excerpt de teste

Lua Cheia – Arte na Aldeia

Excerto de exemplo

Periplus

Excerto de exemplo

Jorge Marinho

Artista Plástico Jorge Marinho.

Vincent, Van e Gogh

Um espectáculo visualmente poético, onde se sugerem algumas das mais emblemáticas obras de Van Gogh.

Ibéria

Uma grande batalha em que o absurdo, a ironia e o humor lutam com lendas, factos históricos e episódios inverosímeis!!

Clean Clown

Espectáculo sem recurso à palavra onde o humor brota ao ritmo de uma louca e divertida sonoplastia ao vivo.

Sou do tamanho do que vejo

Um espectáculo onde se tece um diálogo com o espectador e em que os actores brincam a ser um e vários ao mesmo tempo.

Novecentos

É através da sonoridade dos clarinetes que o espectador é convidado a imaginar o piano de Novecentos.

Mamã?!

Envergando as vestes e assumindo as atitudes de um clown, a actriz contracena com um clarinetista, cuja música marca o ritmo trágico e emotivo da personagem central.

Remédios Santos

«Um olhar ácido, humorístico e inquietante sobre a indústria farmacêutica.»
Hernán Gené

Apoio

Patrocínio

Parcerias Locais

Parcerias Estratégicas 2018 / 2021