la luna

(Português)

A noite de “Lua Cheia Arte na Aldeia” de 19 de Fevereiro, ficará marcada pela atuação da companhia de teatro “O BANDO” com a peça”Paula de Papel”.

PAULA DE PAPEL teatro para a infância e juventude a partir do imaginário de PAULA REGO.

PAULA DE PAPEL convoca a pintura para construir um objeto teatral onde o corpo e o movimento se sobrepõem à necessidade de uso da palavra para chegar à compreensão da narrativa. Em cena, todas as personagens são PAULA e tudo começa com o papel em branco que é elemento central da construção plástica do espetáculo, papel que é o instrumento principal para a sonoplastia, papel que está sempre presente no quotidiano das crianças convocando-as assim para interagir com o espaço cénico e a narrativa.

A viagem começa a desenhar-se com o papel em branco onde o universo pictórico, visual, social e literário de PAULA REGO se imprimirá. A viagem desenvolve-se no feminino dirigida por Juliana Pinho, actriz e encenadora que coordena a formação do Teatro O Bando, com Rita Brito, actriz da equipa fixa do Bando e Margarida Mata, artista plástica e mediadora cultural. O espectáculo dirige-se à faixa etária entre os 6 e os 12 anos tentando ver à lupa o medo e a inquietação prementes na infância.

PAULA DE PAPEL parte conceptualmente das pinturas e colagens de Paula Rego (década de 60) num processo de criação que revela uma liberdade criativa e que cria uma profusão de imagens e composições marcadas pelo ritmo e pelo encontro com uma forma de representar a realidade que não se restringe à mimese. Nesta fase da obra da artista descobrimos a relação com o papel. Imagens rasgadas do suporte original são coladas, riscadas e pintadas criando uma composição que, apesar da aparente infantilidade, se compromete politica e socialmente. A matéria textual do espectáculo parte das personagens que povoam as pinturas e que serão coladas através das palavras da artista em entrevistas escritas e televisivas. Palavras actuam como matéria prima e plástica, moldáveis em colagens dramatúrgicas ao serviço de uma estética visual apelativa, acutilante e envolvente onde a pintura ocupará território central. Não pretendendo seguir o modelo espectáculo E oficina, procuramos que a integração do público no espectáculo lhe dê um final, mutável a cada sessão.

PAULA DE PAPEL é um espectáculo-oficina cujo espaço cénico pressupõe a intervenção final das crianças-espectadores permitindo-lhes ser agentes determinantes no objecto artístico. Acreditamos que as obras de arte são para todas as faixas etárias e que criar um espectáculo dirigido à infância e juventude a partir da acutilante obra de PAULA REGO é uma forma de participação cívica. Fazemo-lo com a herança de mais de 40 anos de trabalho do Teatro O Bando – percursor na exploração de um teatro não infantilista para a infância.

texto a partir de entrevistas publicadas de PAULA REGO
encenação JULIANA PINHO
cocriação MARGARIDA MATA e RITA BRITO
cenografia RUI FRANCISCO
sonoplastia JORGE SALGUEIRO
figurinos CLARA BENTO com JULIANA PINHO, MARGARIDA MATA e RITA BRITO

criação TEATRO O BANDO português | m/6